ITIL V3 - A Transição de Serviços e o Gerenciamento de Mudanças 3 “Es” para T.I. em 2008
Dez 17

Organizações que se encontram um passo à frente na compreensão do que é realmente uma análise de retorno sobre investimentos sabem que existe somente uma forma de medir e gerenciar o valor de qualquer investimento, seja em TI ou em qualquer outra área: uma análise de ROI bem fundamentada.

ROIMais do que nunca, as organizações têm se preocupado com a análise dos impactos dos investimentos em TI. Pressões econômicas, aliadas a anos de pesados gastos com TI sem a demonstração de retornos claros, obrigaram as corporações a encurtarem suas rédeas nos gastos de TI e justificarem melhor e de forma mais clara cada centavo investido.

Tomadores de decisões das áreas financeira e de tecnologia precisam de métricas e medidas confiáveis para garantir que estão tomando decisões em TI que agreguem impactos positivos à organização.

A proliferação de calculadoras de ROI por parte de fornecedores, estratégias de marketing e novos modelos propostos por analistas e consultores que buscam medir o valor da tecnologia falharam por não satisfazerem as necessidades dos tomadores de decisão. Entretanto, forneceram muitas lições valorosas tanto para os fornecedores quanto para os usuários de tecnologia, incluindo:

  • ROI não é um número; trata-se da compreensão dos custos e benefícios de um determinado projeto. O ROI em tecnologia em uma organização depende do ambiente tecnológico existente e de como os seus usuários utilizam a tecnologia - maximizar o ROI é um processo contínuo baseado na evolução das tecnologias e nas mudanças no ambiente dos negócios;
  • Uma forma de avaliação de ROI tipo “caixa preta”, que utiliza de ferramentas ou calculadores simplistas com suposições genéricas, não é suficiente para justificar determinado investimento. Ferramentas de cálculo de ROI baseadas em web por exemplo, simplesmente geram números. Estes números podem ser interessantes, mas não podem ser considerados confiáveis a menos que todos os cálculos, fórmulas e entradas de dados sejam claros e objetivos - e todas as suposições sejam específicas à organização;
  • Aqueles indivíduos que têm a ganhar com projetos de tecnologia - consultores, vendedores ou analistas trabalhando para vendedores - podem não analisar objetivamente o impacto financeiro de um projeto. Mesmo se forem objetivos, suas conclusões são passíveis de questionamentos e os CFO’s procuram por cálculos de ROI confiáveis e compreensíveis;
  • Um conhecimento sobre as operações de negócio e sobre finança, não apenas sobre tecnologia, é crítico para a compreensão e para o cálculos dos impactos da TI. Tradicionais empresas de análise sobre tecnologia podem fornecer opiniões a respeito dos líderes de mercado, sobre funcionalidades de produtos e estratégias dos fornecedores, mas lhes faltam conhecimento financeiro e uma compreensão mais profunda do negócio para avaliar o ROI e outras métricas financeiras. Algumas desenvolveram métricas proprietárias que procuram traduzir de alguma forma o valor que determinada tecnologia provê para as organizações. Todavia, estes modelos falham na provisão aos CFO’s de uma maneira consistente de avaliar os impactos financeiros dos projetos de TI porque são baseados em opiniões e não podem ser comparados com outras métricas financeiras padrões.

MÉDIAS DE ROI NÃO SE APLICAM

As empresas tradicionais de análise de TI sem um foco financeiro buscam prover aos usuários recomendações financeiras através da pesquisa e comparação com outras organizações. Embora médias de ROI possam prover informações históricas interessantes a cerca de sucessos relativos de organizações que aplicaram determinada tecnologia, elas não podem ser utilizadas para prever outros resultados porque o ROI é uma medida individual, baseada em um projeto específico.

Outros analistas desenvolveram cálculos ou taxas para avaliar uma tecnologia que não encontram associações na biblioteca de métricas financeiras padrões utilizadas pelos CFO’s. Embora os CIO’s e os usuários da tecnologia da informação possam considerar algumas destas métricas interessantes, elas não fornecem suporte aos CFO’s com uma clara medida dos impactos financeiros ou o retorno sobre a tecnolgia, nem oferecem também uma forma de comparação para as decisões sobre os investimentos em tecnologia com outros tipos de investimentos.

POR QUE AS “CALCULADORAS RÁPIDAS” NÃO FUNCIONAM?

Diversos fornecedores de tecnologia consultaram seus times internos ou equipes de vendas no desenvolvimento de ferramentas para o cálculo de ROI ou calculadoras rápidas na tentativa de apontar indicações do ROI potencial de suas soluções. Inicialmente, o mercado adotou estas ferramentas como uma forma de justificar decisões tecnológicas; entretanto, sobre o escrutínio dos CFO’s, muitas ferramentas falharam na confirmação do que prometiam demonstrar. Os tomadores de decisão observaram que muitas ferramentas desenvolvidas pelos fornecedores falharam na utilização de equações ou suposições sem muita clareza, basearam-se em dados médios ou gerais em vez de entradas específicas da organização ou possuíam uma estrutura que, em muitos casos, superestimava os benefícios de um projeto.

À medida em que a popularidade destas ferramentas diminuía, aumentava a necessidade dos CFO’s na quantificação de determinada tecnologia de uma forma clara, aberta e estruturada; customizada às necessidades e características da organização e disponibilizada certamente por uma fonte objetiva.

O QUE MAIS AS EMPRESAS ESTÃO PERDENDO?

Muitas empresas de consultoria e de contabilidade proveram aos seus clientes análises de ROI como parte de um processo global de avaliação, tomada de decisões e implementação de uma estratégia tecnológica. Infelizmente, é difícil para um CIO saber se uma análise é baseada nas reais necessidades de sua organização, ou em dados abstraídos de outras organizações ou no desejo de um fornecedor na continuidade de implementação de um projeto.

As organizações precisam de uma voz independente, de uma fonte confiável que não tenha nada a perder - ou ganhar - para ajudá-los na correta quantificação dos custos e benefícios de um projeto de TI.

O ROI REAL VAI ALÉM DE UM NÚMERO

O Retorno Sobre o Investimento, ou ROI, não é apenas um percentual, mas sim a compreensão total dos custos e benefícios associados ao desenvolvimento de uma tecnologia - e uma análise de ROI é tão boa quando sua suposição ou dado mais inconsistente. Para se ter confiança em um cálculo, a organização precisa não apenas de um número, mas sim de uma completa explanação das suposições e cálculos utilizados para derivá-la. Para o ROI ser útil à avaliação de projetos, a metodologia para calculá-lo precisa ser consistente e repetitível.

ENCONTRANDO O VERDADEIRO ROI

Organizações que tomam grandes decisões em TI sabem que somente conseguiram tomá-las porque conseguiram quantificar seu ROI. Com o cálculo do ROI para o desenvolvimento de uma tecnologia, as organizações podem compreender, em uma base contínua, os impactos que cada decisão sobre tecnologia tem sobre os negócios. Quando um projeto atrasa, custos com consultorias crescem. É conhecido que todos os atrasos não esperados impactam o retorno de um projeto tecnológico - e pode-se utilizar este conhecimento para manter a maximização destes retornos frente a pressões políticas, consultores fracos ou outros desafios.
Organizações de sucesso relacionam as melhores práticas financeiras às melhores práticas tecnológicas. Analistas puramente financeiros são desafiados a calcular o ROI sobre a tecnologia porque eles desconhecem as suposições de cada modelo - e o CIO não quer ter que aprender a compreender finanças para provar o ROI de seus projetos. Efetivamente, analistas de ROI de projetos de TI relacionam os conjuntos de conhecimentos de finanças e TI, garantindo que as decisões sobre investimentos em TI estejam alinhadas a outras decisões tomadas pela organização. Uma análise independente e transparente é crucial. Cada organização é diferente e cada uma deve valorizar as diversas métricas e cálculos financeiros de forma diferente. Ferramentas de modelos financeiros abertas possibilitam à organização rever equações, alterar cálculos relacionando-os às suas necessidades e estruturas de investimento específicos e compreender a fonte e as suposições através de qualquer número.

O ROI de uma tecnologia não é simplesmente a associação de um número, mas sim a garantia de que os benefícios ao negócio em cada investimento superem os seus custos. Organizações de sucesso revêem continuamente seus projetos e decisões de investimentos em TI para compreender o impacto financeiro de seus investimentos, maximizar seus benefícios e minimizar seus custos ao longo de todo o ciclo de vida da tecnologia.

Uma metodologia de cálculo de ROI padrão possibilita às organizações avaliarem cada investimento de uma maneira consistente sobre outros investimentos não relacionados à tecnologia. Em adição à medição de seus projetos ao longo de seus ciclos de vida, as organizações utilizam medidas padrões em todos os seus projetos de TI, habilitando-as a comparar e priorizar projetos baseado em seus riscos e retorno.

Referência:
Research Note: Separating ROI facts from fiction - Nucleus Research, Inc.

Deixe um comentário